Televendas

(31) 3222-2107
(31) 2555-2107

Actim Partus - avaliação do risco de parto prematuro (Unidade)

ECO Diagnóstica

R$ 190,00

R$ 119,90

6x de R$ 19,98 no cartão

ver parcelas

Descrição Resumida
Actim Partus – Determinação do risco de parto prematuro

Parto prematuro é uma grave complicação da gravidez que pode ter consequências devastadoras. Embora metade das mulheres grávidas experimentem contrações pré-termo, apenas 20% daquelas realmente têm o parto prematuro. O teste Actim Partus é um teste rápido e simples para a identificação de pacientes com risco de parto prematuro.
 
Teste Actim Partus tem um valor preditivo negativo muito bom:
O resultado negativo do Actim Partus é uma clara indicação de que o paciente não vai ter parto nos próximos 7 dias

 

Descrição
Teste Actim Partus - falso trabalho de parto ou não?
 
Identifica pacientes com alto risco de parto prematuro
Resultado negativo exclui claramente a trabalho iminente
Respostas confiáveis disponíveis em poucos minutos
Benefícios de custo - internação somente para os casos de verdadeiro trabalho de parto
Procedimento fácil - sem instrumentação ou formação adicional necessária
 
INSTRUÇÕES DE USO
 

 
Estrutura da tira
1- Área de imersão
2-Zona de reação
3-Linha de teste
4-Linha de controlE

Uso recomendado

O teste Actim Partus é um teste qualitativo imunocromatográfico em tira, de interpretação visual, para a detecção de IGFBP-1 (insulin- like growth fator blinding protein) em secreções cervicais durante a gravidez. O teste é recomendado para uso profissional, como auxilio na previsão do risco de parto pré-termo ou iminente quando as membranas fetais estão intactas. Um resultado negativo com o teste é uma clara indicação de que a paciente não entrará em trabalho de parto dentro dos próximos 7-14 dias.

Componentes do Kit

A composição de cada teste Actim Partus é a seguinte:

*Uma zaragatoa de poliéster esterilizada para colheita da amostra
*Um tubo com uma solução de extração do espécime (0,5ml). Esta solução de tampão fosfato contém albumina sérica bovina (BSA), inibidores de proteases e conservantes.
*Uma tira num invólucro de alumínio.

Conservação

Conservar o kit entre +2⁰ a 25⁰C. Cada componente do kit pode ser utilizado até o término do prazo de validade indicado no rótulo da embalagem. O kit pode ser conservado até dois meses entre +2⁰ a +30⁰C. Quando retirar a tira do invólucro de alumínio, usá-la imediatamente.

Princípio do método

As células teciduais sintetizam as formas fosforiladas de IGFBP-1 (phIGFBP-1), enquanto que o líquido amniótico contêm quantidades substanciais de formas pouco e não fosforiladas de IGFBP-1. À medida que o parto se aproxima, as membranas fetais começam a descolar da decídua parietal e pequenas quantidades de formas fosforiladas começam a libertar-se para as secreções cervicais. No teste Actim Partus a amostra cervical é colhida com uma zaragatoa de poliéster esterilizada, durante o exame com o espéculo e introduzida na solução de extração (fornecida no kit). A presença, na solução, de phIGFBP-1 é detectada utilizando uma tira.
O teste baseia-se no princípio de imunocromatografia. O teste utiliza dois anticorpos monoclonais específicos para a IGFBP-1 humana. Um anticorpo monoclonal reveste as partículas de látex azuis (marcador de detecção). O outro anticorpo está imobilizado na membrana de migração para capturar o complexo de antígeno e anticorpo marcado com látex, indicando um resultado positivo. Quando a parte inferior da tira é mergulhada na amostra extraída, absorve o liquido que começa a migrar pela tira. Se a amostra contém phIGFBP-1 esta liga-se aos anticorpos que revestem a partícula de látex. Estas vão migrar através da tira e, se a phIGFBP-1 estiver presente, as partículas vão ligar-se aos anticorpos existentes na membrana, ficando retidas. Se a concentração de phIGFBP-1 exceder o valor do limite de detecção do teste irá aparecer uma linha azul (linha de teste) na zona de reação. A correta performance de teste é confirmada pelo aparecimento de uma segunda linha azul (linha de controle).

Performance do teste

O limite da detecção do teste Actim Partus é tal que a quantidade mínima detectável de phIGFBP-1 na amostra extraída é de aproximadamente 10µg/l (forma fosforilada purificada por afinidade a partir de extrato decidual A1%(280nm) = 13,6).

Limitações do teste

*O teste é indicado para o diagnóstico “in vitro”.

*Antes de se executar o teste Actim Partus é necessário garantir que as membranas fetais estão intactas (por exemplo, com um teste Actim PROM), uma vez que existindo uma ruptura nas membranas fetais o teste Actim Partus também irá dar um resultado positivo.
 *Pacientes com sangramento vaginal moderado ou elevado não devem ser testadas. É então recomendado que as amostras sejam colhidas quando o sangramento tiver cessado e o extrato esteja essencialmente isento de sangue.

Colheita e preparação da amostra

A amostra consiste numa secreção cervical que é colhida a solução de extração fornecida. A amostra deve ser colhida antes do exame digital e da ecografia transvaginal. Uma amostra do muco cervical é obtida através de uma zaragatoa(fornecida no kit)do orifício do colo uterino durante o exame ginecológico. É importante evitar o contato da zaragatoa com outros objetos/superfícies antes de obter a amostra.
A zaragatoa deve permanecer no orifício do colo uterino durante 10 a 15 segundos para permitir a correta absorção da secreção.

Abrir o tubo da extração é colocá-lo numa posição vertical. A amostra é extraída imediatamente da zaragatoa ao introduzir esta na solução de extração e agitando-a vigorosamente durante 10 a 15 segundos.
Colocar pressão sobre a zaragatoa contra a parede do tubo da extração para remover o excesso de solução. Eliminar a zaragatoa.

Os testes devem ser executados o mais rapidamente possível após a colheita da amostra ou, no máximo, nas 4 horas seguintes à colheita e extração. Caso a amostra não possa ser testada dentro desse período de tempo, a mesma deve ser congelada. Após o descongelamento, as amostras devem ser agitadas e testadas da seguinte forma
.
Procedimento do teste e interpretação dos resultados

1. Caso o invólucro de alumínio tenha sido refrigerado, deve deixá-lo atingir temperatura ambiente. Abrir o invólucro que contém a tira. Não tocar na área amarela que se encontra na parte inferior de cada tira. Os registros de identificação poderão ser inscritos na parte superior da tira (zona roxa). Usar a tira logo que seja retirada do invólucro de alumínio.

2-Mergulhar a parte inferior da tira na amostra e aguardar até que o líquido atinja a zona de reação. Não mergulhar além da linha com setas pretas que representa o limite superior da área de imersão. Remover a tira da solução e colocá-la na horizontal.

3-O resultado pode ser interpretado como positivo assim que duas linhas azuis sejam visíveis na zona de reação. Se após 5 minutos aparecer apenas uma linha azul, o resultado é interpretado como negativo. Não considerar o aparecimento de quaisquer linhas azuis após os 5 minutos.

4-Se aparecerem duas linhas azuis, a linha de reste e a linha de controle, o resultado do teste é positivo.
Se aparecer uma linha azul, a linha de controle, o resultado do teste é negativo.
Se não aparecer a linha de controle o teste será considerado inválido.

Notas

*Não deve ser feita uma interpretação quantitativa baseada nestes resultados.
*O teste requer cerca de 150µl de amostra para funcionar corretamente.
*Ter cuidado ao colocar a tira no tubo da amostra. A parte superior da tira deve permanecer seca.
*Não utilizar tiras que tenham sido humedecidas antes de serem utilizadas. A umidade altera as propriedades da tira.
*Não utilizar a tira se verificar uma coloração azul na zona de reação antes de iniciar o teste.
*Não utilizar a tira se a sua embalagem de alumínio não estiver corretamente selada.
*Usar apenas a zaragatoa fornecida com o kit.
*Uma amostragem incorreta pode conduzir a um resultado falso-negativo.
*Quando mergulhar a tira, ter o cuidado de a segurar na posição correta (com a área de imersão na amostra extraída) até que o líquido da amostra atinja a zona de reação.
*Se não aparecer uma linha de controle o teste é inválido e deve ser repetido usando uma nova tira.
*Se o resultado do teste não puder ser interpretado claramente é aconselhável repetir o teste com uma nova tira.
*Aos 5 minutos, o aparecimento de qualquer linha de teste, mesmo que azul pouco intenso, acompanhada da linha de controlo indica um resultado positivo. Contudo, não se deve prestar atenção e qualquer linha que apareça após 5 minutos.
*Como em todos os testes para diagnósticos, os resultados obtidos deverão estar em conformidade com a sintomatologia clinica apresentada pelo doente.
*Todas as amostras biológicas e materiais deverão ser manuseados como potencialmente perigosos e dispensados de acordo com as normas locais.

Assine nossa newsletter e receba

ofertas e descontos